Ex-vereador "tampão" recebeu R$ 12 mil da Câmara e não devolveu nada para o município

por hayslla — publicado 26/07/2018 20h30, última modificação 30/07/2018 10h45

Ernando Lucena se recusou a fazer uma lei sobre o “fura fila na saúde”.

 

O ex-vereador tampão Ernando Lucena (PTB) recebeu a quantia de R$ 11.947,61 dos cofres da Câmara de Vilhena no final do ano de 2016, quando assumiu a vaga após os vereadores José Garcia (DEM), Junior Donadon, Vanderlei Graebin (PSC), Carmozino Taxista (PSDC), Jairo Peixoto (PP) e Marta Moreira (PSC) serem presos por corrupção ativa pela Polícia Federal.

 

Ernando veio a público através do site Extra de Rondônia repudiar a obra de reforma e ampliação da Câmara de Vereadores de Vilhena, orçada em R$ 2,5 milhões. O ex-vereador tampão, que ocupou uma cadeira no parlamento, disse que a Câmara deveria devolver o dinheiro para o município, para que a mesmo faça escolas e outras obras, no entanto, se esquece que o prédio da Câmara é, e continuará sendo do povo. Novos vereadores vindos do povo serão eleitos durante os próximos anos e farão uso das novas e modernas instalações, bem como a população.

 

 O ex-vereador ainda falou do muro que cerca 70% da nova Câmara, é importante ressaltar que o muro foi erguido apenas, como no caso do Ministério Público em Vilhena, para oferecer um local seguro aos veículos da Câmara e dos servidores legislativos. A parte frontal da Câmara continua sem nenhum impedimento.

 

Seria importante, que os críticos da obra esperassem a mesma terminar e a Câmara se reinstalar no prédio novo, para depois tecer críticas mais pontuais. Falar da obra antes dela terminar, seria como reclamar do cheiro do peixe antes de fritá-lo.

 

VEREADOR TAMPÃO

 

Como arquiteto e crítico urbanista o ex-vereador poderia ter dado exemplo, e ter devolvido parte de seus vencimentos ao munícipio ou alguma entidade beneficente de Vilhena, já que entre o meio de novembro e o fim de dezembro de 2016, o então vereador tampão não apresentou nenhum projeto para votação, apenas esquentou a cadeira do parlamento por 51 dias, recebendo quase R$ 250,00 por dia.

 

O ex-vereador foi procurado por populares em sua “legislatura” para combater através de uma lei a prática do “fura fila na saúde”, onde diversas pessoas estariam sendo atendidas primeiro no Hospital Regional, em decorrência de influência política, no entanto, o ex-vereador teria se recusado a buscar uma lei para vedar este ato.

 

A Câmara de Vereadores através de seu presidente Adilson de Oliveira (PSDB) entendeu que a obra de reforma e ampliação da estrutura física deveria ser realizada, visto que a atual Câmara apresentava problema estruturais e não atendia a demanda atual, já que a mesma foi reformada e ampliada, pela última vez, há mais de 20 anos.

 

O orçamento vem da própria Câmara e todos os gastos estão disponíveis no Portal da Transparência (www.vilhena.ro.leg.br).

 

 

DICOM - Câmara de Vilhena