Câmara de Vilhena esclarece situação com repórter de site local

por hayslla — publicado 02/08/2018 10h03, última modificação 02/08/2018 10h03
A Câmara de Vereadores de Vilhena, vem por meio desta nota esclarecer o suposto pedido para que um repórter se retirasse de sessão.
Na manhã da última quarta-feira, 01, a Câmara de Vereadores realizou uma sessão extraordinária na qual a pauta já havia sido enviada a imprensa determinando os assuntos que seriam tratados.
Como o próprio site diz, porém acaba cometendo uma contradição entre o titulo da matéria e o corpo textual da mesma onde o título diz "Sessão as escondidas", porém no texto da própria matéria diz "Como é corriqueiro, a assessoria do Legislativo convidou os profissionais de imprensa a prestigiar e cobrir a sessão", a Câmara de Vereadores tem buscado transparências em suas ações, chegando a transmitir as sessões ordinárias para dar oportunidade a mais pessoas poderem acompanhar os trabalhos e decisões dos vereadores.
É de conhecimento de todos que só existe valor de lei, projetos inscritos com antecedência e que estejam pautados, pauta essa que é de domínio público, portanto a discussão sobre a Lei do Nepotismo, não se tratava mais de uma pauta da sessão extraordinária, o vereador Rafael Maziero já havia lido o último projeto e após a votação a sessão se encerrava naquele momento.
Após a sessão, os vereadores discutiriam a necessidade de acrescentar um paragrafo a lei já citada por recomendação da Procuradoria Geral do Município, já que a falta desse paragrafo abre margem a uma interpretação que prejudica os funcionários efetivos.
Outro ponto é que mesmo dando início a uma reunião que seria interna, o vereador Ronildo Macedo, não pediu para que o jornalista se retirasse, ele pediu para que o momento não fosse gravado, mas não solicitou que o referido se retirasse da sala de reuniões.
A Lei do Nepotismo visa estabelecer uma forma ética sobre a nomeação de servidores, que esteja dentro dos princípios da moralidade e competência, buscando diminuir o uso da máquina pública como empresa familiar como há muitos anos vinha ocorrendo, mesmo após sua aprovação, ainda é necessário que ajustes sejam feitos para que a tenhamos uma cidade justa, com servidores competentes, sejam eles efetivos ou de livre nomeação.
Os vereadores ainda discutiram sobre o assunto e caso necessário, será pedida outra sessão para que seja votada a inclusão da alteração no parágrafo e para todo aquele, seja jornalista ou cidadão, que tenha interesse em saber mais sobre o assunto, basta se dirigir a Câmara de Vereadores e buscar informações.