Presidente da Câmara apoia Dnit para manutenção de pátio na divisa entre Rondônia e Mato Grosso

por Adriana Piacentini publicado 17/07/2017 17h40, última modificação 17/07/2017 17h40
Reparos devem ser concluídos em 15 dias.

Adilson de Oliveira (PSDB), presidente da Câmara de Vereadores de Vilhena esteve reunido com o superintendente do Dnit (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes) da praça de Vilhena, Sergio Augusto Mamanny e também com representantes de empresas contratadas pelo órgão para realizar a recuperação de trechos da BR-364 tanto em Rondônia como no estado do Mato Grosso.

O presidente viu a necessidade da recuperação de trechos da BR-364 para a melhor trafegabilidade dos usuários e principalmente do setor de transportes.  Outro ponto abordado por Adlson junto a Dnit foram as péssimas condições do pátio do posto fiscal da Semfaz no lado do Mato Grosso.

“Todos os veículos de transportes que precisam parar no posto fiscal não conseguem um local adequado, e os conseguem tem que passar por buracos e valetas que acabam prejudicando os pneus e a suspensão”, salientou o presidente da Câmara.

REPAROS

Após uma reunião em loco com os superintendentes do Dnit de Vilhena e o de Cáceres, Ricardo Santos, além de representantes de empresas que realizam a manutenção das rodovias para o Dnit, ficou acertado que um serviço paliativo de patrolamento será iniciado nesta semana no local, e posteriormente dentro de 15 dias, o pátio receberá o serviço de fresamento, visando deixar o pátio mais resistente.

“Precisamos chamar a superintendência do Mato Grosso para verificar a situação, pois o Dnit de RO não poderia assumir esses reparos, mesmo sendo tão perto da cidade, mas é só uma questão de trazer o maquinário necessário, que está em Cáceres, até a divisa dos dois estados e logo o local estará muito melhor”, disse Sergio Mamanny, do Dnit de Vilhena.

O presidente da Câmara frisou que ainda será necessário o empenho de algumas cargas de cascalho no local para viabilizar o paliativo, “Vamos fazer uma parceria com empresas interessadas e até a prefeitura de Vilhena para conseguirmos melhorar a situação, e evitar acidentes e baixar custos também, já que alguns caminhões tem tido que estacionar às margens da rodovia para poderem deixarem notas fiscais no posto”, disse Adilson.